.

SÊ A MUDANÇA QUE QUERES VER NO MUNDO!
.
.

A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo...

Publicada por Observador@


"Um homem de aparência respeitável, de mentalidade sólida e óptimo marido e pai, todos os dias quando se levantava ia para a casa de banho e, em vez de cantar como muitos fazem, punha-se a discursar longamente numa língua estranha.
A mulher e os filhos ouviam-no, mas nada diziam, primeiro, porque começaram a ver naquela manifestação linguística um sintoma de superioridade, segundo, porque levavam aquilo à conta de uma maluqueira do pai.
Um dia, uma cunhada de visita à casa, espantada com aquela série de sons invulgares, perguntou:
- Que é aquilo?
Todos encolheram os ombros. Há doze anos que ouviam, mas nunca tinham perguntado. O pai, depois, com ares doutos explicou:
- É grego.
A cunhada ficou espantada.
- E... a que propósito discursa em grego na casa de banho?!
O pai teve um sorriso de desculpa.
- Levei tantos anos a aprendê-lo na Universidade, que me fazia pena nunca mais utilizar esse conhecimento. Mas, sinceramente, o único local onde achei oportunidade de fazê-lo foi na casa de banho!"

(Autor: Thomas M. Mith; Fonte: A Estupidez Humana)

A Água que queria ser Fogo

Publicada por Observador@


""Já estou cansada de ser fria e de correr rio abaixo. Dizem que sou necessária... mas eu preferia ser formosa! E acender entusiasmos... e fazer arder o coração dos apaixonados... e ser vermelha e quente! Dizem que eu purifico o que toco, mas mais força purificadora tem o fogo! Quem me dera ser fogo e chama!"
Assim pensava em Setembro a água dum rio de montanha. E, como queria ser fogo, decidiu escrever uma carta a Deus, para pedir que mudasse a sua identidade.
"Querido Deus: Fizeste-me água, mas quero dizer-te com todo o respeito que me cansei de ser transparente. Prefiro a cor vermelha para mim! Desejaria ser fogo. Pode ser? Tu mesmo, Senhor, te identificaste com a sarça ardente e disseste que tinhas vindo trazer o fogo à terra. Não me recordo de nunca te teres comparado com a água. Por isso, creio que compreenderás o meu desejo. Não é um simples capricho! Necessito desta mudança para a minha realização pessoal..."
A água saía todas as manhãs até à margem, para ver se chegava a resposta de Deus. Uma tarde, passou uma lancha muito branca e deixou cair na água um envelope muito vermelho.
A água abriu-o e leu: "Querida filha: apresso-me a responder à tua carta. Parece que te cansaste de ser água. Lamento-o muito porque não és uma água qualquer! A tua avó foi a que me baptizou no Jordão, e eu tinha-te destinado para caíres sobre a cabeça de muitas crianças! Tu preparas o caminho do fogo! O meu Espírito não desce sobre ninguém que não tenha sido lavado por ti! A água sempre é primeiro do que o fogo..."
Enquanto a água estava embebida a ler a carta, Deus desceu a seu lado e contemplou-a em silêncio. A água olhou-se a si mesma e viu o rosto de Deus reflectido nela. E Deus continuava a sorrir esperando uma resposta.
A água compreendeu que o privilégio de reflectir o rosto de Deus só o tem a água límpida... Suspirou e disse: "Sim, Senhor, continuarei a ser água! Continuarei a ser o teu espelho! Obrigada!""

(Autora: M. Dolores Torres)

O Mestre da Paciência

Publicada por Observador@


"Conta a lenda que um velho sábio, tido como mestre da paciência, era capaz de derrotar qualquer adversário.
Certa tarde, um homem conhecido pela sua total falta de escrúpulos apareceu com a intenção de desafiar o mestre da paciência. O velho aceitou o desafio e o homem começou a insultá-lo. Chegou a atirar algumas pedras na sua direcção, cuspiu-o e gritou todos os tipos de insultos.
Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impávido e sereno. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o homem deu-se por vencido e retirou-se.
Impressionados, os alunos perguntaram ao mestre como conseguira suportar tanta indignidade.
O mestre perguntou:
- Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceitar, a quem pertence o presente?
- A quem tentou entregá-lo. Respondeu um dos discípulos.
- O mesmo vale para a inveja, a raiva e os insultos. Quando não aceitamos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo.
A sua paz interior depende exclusivamente de si. As pessoas não lhe podem tirar a calma... a não ser que você permita!!!"
.

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@