.

SÊ A MUDANÇA QUE QUERES VER NO MUNDO!
.
.

A impaciência e suas consequências

Publicada por Observador@


"Havia um menino que tinha um comportamento difícil de controlar. O seu pai deu-lhe um saco de pregos e disse-lhe que, cada vez que perdesse a paciência, pregasse um prego numa tábua que tinham em sua casa. No primeiro dia o menino pregou 37 pregos na tábua. Com o tempo foi diminuindo gradualmente. Ele descobriu que era mais fácil conter o seu comportamento do que colocar pregos na tábua. Finalmente, chegou o dia em que o menino não perdeu nunca a paciência. Ele contou esse facto ao seu pai, que sugeriu que agora tirasse um prego da tábua cada dia que ele se conseguisse conter. Os dias foram passando e o menino pôde, finalmente, contar ao seu pai que não haviam mais pregos na tábua. O pai pegou na mão do filho, levou-o até à tábua e disse: "Fizeste bem, meu filho, mas vês os buracos que ficaram na tábua... a tábua nunca mais será a mesma!"

Quando pronunciamos palavras de ódio, elas deixam, nos outros, cicatrizes como 'buracos na madeira'. Não importa quantas vezes diga que sente muito, a ferida continuará lá. Na verdade, uma ferida verbal é tão nefasta quanto uma ferida física."

(Fonte: revista Almanaque de Santa Zita 2010)

O Idiota e a Moeda

Publicada por Observador@


"Conta-se que numa aldeia do interior um grupo de pessoas se divertia com o maior idiota daquele lugar. Um pobre coitado, considerado pouco inteligente, vivia de pequenos biscates e esmolas. Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam-lhe a escolha entre duas moedas: uma grande de 400 REIS e outra menor, de 2000 REIS. Ele escolhia sempre a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos. Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e perguntou-lhe se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos. Respondeu o tolo: - Eu sei, ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar a minha moeda.

Podem-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa:
A primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.
A segunda: Quem eram os verdadeiros idiotas da história?
A terceira: Se fores ganancioso, acabas por estragar a tua fonte de rendimento.

Mas a conclusão mais interessante é: A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.
Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, o que realmente somos."

O maior prazer de uma pessoa inteligente é armar-se em idiota diante de um idiota que se arma em inteligente!
.

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@