.

SÊ A MUDANÇA QUE QUERES VER NO MUNDO!
.
.

O Grilo e a Moeda

Publicada por Observador@


Um missionário alimentava uma velha amizade com um mestre indiano. Tudo começara há muitos anos, no tempo em que ele estivera na Índia. Um dia decidiu convidá-lo para vir a sua casa. O mestre aceitou o convite e pôs-se a caminho. Para trás ficara a sua terra natal e dirigia-se agora para a Europa, onde vivia o seu amigo missionário.
Quando se encontraram fizeram uma grande festa e estiveram horas a recordar os tempos passados. O velho missionário quis mostrar-lhe a cidade e os seus lugares mais belos. A presença destas duas simpáticas figuras despertava a curiosidade dos passantes. Todos se detinham a olhar para o missionário, com a sua enorme batina preta e para o mestre indiano com o seu turbante amarelo e a pele da cor do chocolate. Ao passar junto dos jardins da cidade, o indiano estacou e perguntou ao seu amigo:
- Escuta! Ouves o mesmo que eu ouço?
Com um ar de espanto, o missionário arrebitou as orelhas o mais que pôde, mas teve que confessar que nada ouvia, a não ser o grande rumor do tráfego citadino.
- Aqui perto está um grilo a cantar, exclamou o indiano.
- Olha que te enganas - disse-lhe o missionário. Eu apenas ouço o barulho da cidade. Além disso é impossível encontrar esses animaizinhos nas grandes cidades.
Mas o indiano tanto insistiu que ambos se puseram a procurá-lo no meio dos canteiros floridos do jardim. Passados uns instantes, o indiano encontrou um lindo grilo.
- Viste que eu tinha razão?
- É verdade, admitiu o missionário. Vocês, indianos, têm um ouvido muito mais apurado que nós, ocidentais.
- Desta vez és tu que te enganas, sorriu o sábio. Ora presta atenção.
E o indiano tirou do bolso uma pequena moeda e, mostrando-se distraído, deixou-a cair ao chão. Imediatamente várias pessoas voltaram-se para o lugar donde vinha aquele som.
- Viste o que aconteceu? A moeda produziu um tilintar mais suave que o canto de um grilo. No entanto foram muitas as pessoas que ouviram esse tilintar no meio do barulho da cidade.
Naquele dia, o missionário aprendeu uma lição: A nossa atenção está posta onde temos os nossos interesses..
.

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@