.

SÊ A MUDANÇA QUE QUERES VER NO MUNDO!
.
.

Pacífico e Pacificador

Publicada por Observador@


"Havia um abade no deserto que tinha um discípulo e várias grutas ou ermidas.
Chegou um monge novo e o abade emprestou-lhe uma gruta. O novo monge era um santo e recebia muitas visitas.
O abade começou a ter inveja e enviou o discípulo para lhe dizer que abandonasse a sua gruta. Mas o discípulo foi e perguntou-lhe como se encontrava. Ele respondeu que lhe doía o estômago e que agradecia ao abade o seu interesse por ele.
Voltou o discípulo e disse ao abade que o monge lhe pedia que o deixasse ficar mais dois dias e depois sairia. Mas não saiu.
O abade tornou a enviar o discípulo com ordem para que saísse imediatamente. Se não, iria lá com um pau e expulsá-lo-ia à paulada.
Mas o discípulo foi e perguntou-lhe se se achava melhor. Este disse-lhe que agradecesse muito ao abade pela sua delicadeza e pelas orações que rezava por ele.
O discípulo voltou ao abade e disse-lhe que o monge ficava até domingo e depois sairia.
No domingo, o abade, furioso porque o monge não saía, pegou num pau e dirigiu-se para lá. O discípulo disse-lhe:
- Deixe-me ir à frente para despedir os visitantes, para estes não se escandalizarem. Chegou lá primeiro e disse ao monge:
- O meu abade vem visitar-vos. Ide ao seu encontro para lhe agradecer ter-vos deixado a gruta!
Saiu o monge e lançou-se aos pés do abade, beijando-lhos agradecido, porque tinha sido generoso e tinha rezado por ele.
Isto desarmou o abade, que o convidou a comer e lhe ofereceu a gruta que lhe tinha emprestado.
Quando o monge voltou para a que já era a sua gruta, perguntou o abade ao discípulo:
- Diz-me a verdade: davas-lhe os meus recados?
- Não me atrevia a responder-lhe, mas não lhos dava!
- Então agora eu serei o teu discípulo e tu serás o meu abade, já que tu estás mais próximo de Deus do que eu!!
O discípulo era um homem pacífico e pacificador, semeador de paz e de reconciliação."

(Autor: J. López Melus; Fonte: Gestos de amor)

Rosas e Espinhos

Publicada por Observador@


"Um certo homem plantou uma rosa e passou a regá-la constantemente e, antes que ela desabrochasse, examinou-a. Ele viu o botão que em breve desabrocharia, mas notou espinhos e pensou: Como pode uma bela flor vir de uma planta rodeada de espinhos tão afiados?
Entristecido por este pensamento, recusou-se a regar a rosa, e antes que estivesse pronta para desabrochar, morreu.

Assim, acontece com muitas pessoas. Dentro de cada alma existe uma rosa: as qualidades dadas por Deus e plantadas em nós, crescendo no meio dos espinhos das nossas faltas.
Muitos de nós, olham para si mesmos e vêem apenas os espinhos, os defeitos. Desesperamo-nos, achando que nada de bom pode vir do nosso interior. Recusamo-nos a regar o bem dentro de nós e, consequentemente, isso morre.
Um dos maiores dons que uma pessoa pode possuir, é ser capaz de passar pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas. Esta é a característica do amor - olhar uma pessoa e conhecer as suas verdadeiras faltas. Aceitar essa pessoa na sua vida, enquanto reconhece a beleza na sua alma e ajudá-la a perceber que ela pode superar as suas aparentes imperfeições.
Se mostrarmos às pessoas a rosa, elas superarão os seus próprios espinhos. Só assim poderão desabrochar mais e mais vezes."

(Autor Desconhecido)

.

Inveja

Publicada por Observador@

"Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um pirilampo.
Ele fugia com medo da feroz predadora, mas a cobra não desistia.
Um dia, já sem forças, o pirilampo parou e disse à cobra:
- Posso fazer três perguntas?
- Podes. Não costumo abrir esse precedente, mas já que te vou comer, podes perguntar.
- Pertenço à tua cadeia alimentar?
- Não.
- Fiz-te alguma coisa?
- Não.
- Então porque é que me queres comer?
- PORQUE NÃO SUPORTO VER-TE BRILHAR!!!"
.

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@