.

SÊ A MUDANÇA QUE QUERES VER NO MUNDO!
.
.

De olho nas abóboras (nas metas)

Publicada por Observador@

"Era uma vez um cocheiro que conduzia uma carroça cheia de abóboras. A cada solavanco da carroça, olhava para trás e via que as abóboras estavam todas desarrumadas.
Então parava, descia e colocava-as novamente no lugar. Mal reiniciava a viagem, lá vinha outro solavanco e tudo se desarrumava de novo.
Então começou a ficar desanimado e pensou: «Jamais vou conseguir terminar a viagem! É impossível andar nesta estrada de terra, conservando as abóboras arrumadas!»
Entretanto, passou à sua frente outra carroça cheia de abóboras e ele observou que o cocheiro seguia em frente e nem olhava para trás: as abóboras que estavam desarrumadas organizavam-se sozinhas no próximo solavanco.
Foi quando compreendeu que, se colocasse a carroça em movimento em direcção ao local onde queria chegar, os próprios solavancos da carroça fariam com que as abóboras se acomodassem nos seus devidos lugares."


O que nos transmite esta metáfora:

Que assim também é a nossa vida: quando paramos, em demasia, para olhar os problemas, perdemos tempo e distanciamo-nos das nossas METAS!
  

Onde colocou o sal?

Publicada por Observador@



"O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal num copo com água e bebesse.

"Qual é o gosto?" - perguntou o Mestre.

"Mau!" - disse o aprendiz.

O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse noutra mão cheia de sal e levasse a um lago.

Os dois caminharam em silêncio e o jovem atirou o sal ao lago.

Então o velho disse:

"Beba um pouco dessa água!"

Enquanto a água escorria do queixo do jovem, o Mestre perguntou:

"Qual é o gosto?"

"Bom!" - disse o rapaz.

"Sente o gosto do sal?!" - perguntou o Mestre.

"Não!" - disse o jovem.

O Mestre então, sentou-se ao lado do jovem, pegou nas suas mãos e disse:

"A dor na vida de uma pessoa não muda! Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido de tudo o que está a sua volta. É dar mais valor ao que você tem, do que ao que você perdeu!

Em outras palavras: É deixar de ser copo para tornar-se um lago."

O Pote Rachado

Publicada por Observador@



"Um carregador de água, na Índia, levava dois potes grandes, ambos pendurados em cada ponta de uma vara a qual ele carregava atravessada no seu pescoço.

Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água no final da longa jornada entre o poço e a casa do patrão. O pote rachado chegava apenas pela metade.

Foi assim por dois anos, diariamente. O carregador entregava sempre um pote e meio de água ao seu patrão. Claro que o pote perfeito sentia-se orgulhoso de suas realizações! Porém, o pote rachado vivia envergonhado por causa da sua imperfeição, e sentia-se miserável por ser capaz de realizar apenas a metade do que ele havia sido designado a fazer. Após perceber que por dois anos havia sido uma falha amarga, o pote encheu-se de coragem e resolveu falar com o homem, um dia à beira do poço:

- Estou envergonhado, e quero pedir-lhe desculpas!

- Por quê? - perguntou o homem - Do que estás envergonhado?

- Nesses dois anos eu fui capaz de entregar apenas a metade da minha carga, porque esta minha rachadura do lado faz com que a água vaze por todo o caminho do poço até à casa de seu senhor. Por causa do meu defeito, você, para além de ter que fazer todo esse trabalho, não ganha o salário completo em relação aos seus esforços! - disse o pote.

O homem ficou triste pela situação do velho pote, e com compaixão disse-lhe:

- Quando retornarmos para a casa de meu senhor, quero que percebas as flores ao longo do caminho!

De facto, à medida que eles subiam a montanha, o velho pote rachado reparou nas lindas flores selvagens ao lado do caminho... Isto deu-lhe algum ânimo.

Mas no fim da estrada, o pote ainda se sentia mal porque tinha, mais uma vez, vazado a metade, e de novo pediu desculpas ao homem pela sua falha.

Disse o homem ao pote:

- Observaste que pelo caminho só haviam flores do teu lado?
Eu, ao conhecer o teu defeito, tirei vantagem dele! Lancei sementes de flores no seu lado do caminho e, cada dia enquanto voltávamos do poço, eras tu que as regava! Por dois anos eu pude então colher estas lindas flores para ornamentar a mesa de meu senhor! Se não fosses tal como és, ele não poderia ter esta beleza para dar graça à sua casa!
Cada um de nós tem os seus próprios e únicos defeitos!... Todos nós somos potes rachados! Porém, se permitirmos, o Senhor vai usar estes nossos defeitos para embelezar a mesa de seu Pai.
Na grandiosa economia de Deus, nada se perde. Nunca deveríamos ter medo dos nossos defeitos. Se os conhecermos, eles poderão causar beleza."

...Das nossas fraquezas, podemos tirar forças!...
.

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@