.

SÊ A MUDANÇA QUE QUERES VER NO MUNDO!
.
.

A impaciência e suas consequências

Publicada por Observador@


"Havia um menino que tinha um comportamento difícil de controlar. O seu pai deu-lhe um saco de pregos e disse-lhe que, cada vez que perdesse a paciência, pregasse um prego numa tábua que tinham em sua casa. No primeiro dia o menino pregou 37 pregos na tábua. Com o tempo foi diminuindo gradualmente. Ele descobriu que era mais fácil conter o seu comportamento do que colocar pregos na tábua. Finalmente, chegou o dia em que o menino não perdeu nunca a paciência. Ele contou esse facto ao seu pai, que sugeriu que agora tirasse um prego da tábua cada dia que ele se conseguisse conter. Os dias foram passando e o menino pôde, finalmente, contar ao seu pai que não haviam mais pregos na tábua. O pai pegou na mão do filho, levou-o até à tábua e disse: "Fizeste bem, meu filho, mas vês os buracos que ficaram na tábua... a tábua nunca mais será a mesma!"

Quando pronunciamos palavras de ódio, elas deixam, nos outros, cicatrizes como 'buracos na madeira'. Não importa quantas vezes diga que sente muito, a ferida continuará lá. Na verdade, uma ferida verbal é tão nefasta quanto uma ferida física."

(Fonte: revista Almanaque de Santa Zita 2010)

2 observações:

  1. Anónimo disse...

    É preciso mesmo ter muita paciência... para manter o mesmo texto desde o dia 25 de Março!...
    Isso não seria de admirar se fosse comigo, mas no teu caso, sempre com textos actualizados e super interessantes...É PRECISO TER PACIÊNCIA...
    MUITA PACIÊNCIA!. Beijos e abraços. "Incógnito"

  2. observador@ disse...

    Caro/a Anónimo/a,
    Antes de mais agradecemos a sua observação evidentemente certa e justa! Esta "secção" do Raça Ambígua - PARÁBOLAS -, tem uma periodicidade de actualização de 2 ou 3 post's mensais. Prometemos não faltar a esse compromisso... e, sempre que possível, publicaremos com maior frequência, indo ao encontro dos interesses dos nossos fiéis seguidores!

    Abraço
    Observador@

Enviar um comentário

.
As imagens que ilustram os textos publicados neste blogue são seleccionadas, aleatoriamente, através do motor de busca Google. Agradecemos aos respectivos autores o enriquecimento visual que os seus trabalhos proporcionam e, se não divulgamos a sua origem é porque, na maioria dos casos, a mesma é, para nós, desconhecida. Para salvaguarda dos direitos de autor, estamos à inteira disposição dos eventuais lesados, para revelar a identidade do criador das fotos e/ou desenhos publicados. Observador@